Blog Dicas

Entenda a variação do dólar nas últimas semanas

Se você acompanhou os telejornais nos últimos dias, deve ter escutado sobre a variação do dólar. Afinal, diversos fatores nacionais e internacionais influenciaram o sobe-desce-sobe-desce do valor da moeda americana. E como isso interfere sua vida? Bem, de várias maneiras. A começar pelas medidas do governo brasileiro.

Ficou interessado? Acompanhe este post para descobrir quais acontecimentos provocaram essas mudanças do dólar, as vantagens e desvantagens disso.

Privatização da Eletrobas

Com 233 usinas de geração de energia, a Eletrobras registra prejuízo há alguns anos e, atualmente, sua dívida é estimada em quase R$ 40 bilhões. E foi justamente para controlar as contas públicas que o governo anunciou sua proposta de privatizar a empresa.

De acordo com especialistas entrevistados pela BBC Brasil, esse passo pode ser importante para que a companhia ganhe eficiência. A medida também deve atrair investidores e recursos financeiros.

Se aprovada, a privatização terá dois impactos. Em um primeiro momento, a conta de luz pode ficar entre 2% e 5% mais cara, mas com o passar do tempo, a expectativa é que o preço caia em virtude das melhorias na gestão da Eletrobras. Hoje, a tarifa é mínima e cobre apenas manutenção e operação das usinas.

Por outro lado, a redução da participação do governo na empresa fará a gestão melhorar. Isso porque, como empresa estatal, há dificuldades em diversos quesitos, como contratações e licitações. Livre dessas amarras, a Eletrobras deve ganhar eficiência. É essa intervenção menor do estado na economia que faz o dólar recuar.

Criação da Taxa de Longo Prazo (TLP)

A nova taxa de juros do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) é polêmica e divide opiniões, mas a proposta também contribuiu para a queda da moeda americana. Ela nada mais é do que a taxa usada nos empréstimos realizados pelo banco.

Atualmente, a taxa incidente sobre os empréstimos do BNDES é estabelecida a cada 3 meses pelo governo e fica abaixo da taxa básica da economia (esta última baliza os juros cobrados no mercado). Na prática, a taxa atual é mais baixa do que a cobrada em outros bancos. Se a TLP for aprovada, ela será neste modelo a princípio. Mas, em 5 anos, a taxa vai se igualar à de mercado, ou seja, livre de interferências políticas.

As controvérsias sobre a medida consideram que o financiamento pelo BNDES é considerado barato e ajuda projetos de expansão das empresas que o utilizam. No entanto, muitas delas estão envolvidas nos escândalos da Lava Jato.

Por outro lado, teme-se que o aumento da taxa trave a economia, visto que com juros mais altos muitas empresas podem desistir de seus investimentos e, com isso, dificultar a recuperação da economia brasileira.

Por que essa medida faz o dólar cair? Basicamente pelo mesmo motivo anterior: menos interferência do governo na economia e mais segurança jurídica para as operações.

Tensões na Coreia do Norte

Recentemente o país lançou mísseis em direção ao Japão, sendo que um sobrevoou o céu nipônico antes de cair no mar. Isso ocorreu devido o entrave entre Coreia e Estados Unidos, visto que o país oriental tem investido em tecnologias militares e nucleares.

Em retaliação aos testes, tanto o governo americano como o japonês afirmaram que vão aumentar a pressão para que o governo coreano interrompa seu fortalecimento bélico. Na contramão, o embaixador da Coreia do Norte na ONU afirmou que o país tem direito à autodefesa ante a “intenções hostis” dos Estados Unidos. Com a instabilidade da política internacional, é comum que o valor do dólar aumente.

Prós e contras

Como você pode perceber, diversos são os fatores — internos e externos — que acarretam o aumento ou queda no preço da moeda americana. E essa variação pode ser benéfica para você ou não.

Para a aquisição de produtos cujos preços se baseiam no dólar, a queda é vantajosa, pois os valores tendem a diminuir junto com a moeda. Você terá mais facilidade, por exemplo, para viajar para o exterior ou comprar produtos importados mais baratos. Outra vantagem é o controle da inflação: com a moeda operando em baixa, as indústrias nacionais reduzem seus preços para não perder mercado.

No entanto, com o dólar em alta, o Brasil se beneficia com as exportações, pois os produtos nacionais ficam mais baratos para outros países. Logo, se você manda sua produção para fora, quanto maior seu valor, melhor para seus negócios.

No fim das contas, cabe apenas a você decidir o que é melhor: a queda ou a valorização dessa moeda.

Aguarde...

Newsletter da GMAD

Fique atualizado com as newsletters da GMAD.